VVVVVV>&&&&&%gt;gt;>>>>>>>>>>>>>>>>>"Ver e ouvir são sentidos nobres; aristocracia é nunca tocar."

&&&&&&>>>>>>>>>"A memória guardará o que valer a pena: ela nos conhece bem e não perde o que merece ser salvo."


%%%%%%%%%%%%%%"Escrevo tudo o que o meu inconsciente exala
e clama; penso depois para justificar o que foi escrito"


&&&&&&&&&&&&&&;>>gt;>>>>>>>
"
A fotografia não é o que você vê, é o que você carrega dentro si."


&
;>&&&&&>>>>>>>>>>>>>>>>&gt
"Resolvi não exigir dos outros senão o mínimo: é uma forma de paz..."

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&"Aqui ergo um faustoso monumento ao meu tédio"


&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&"A inveja morde, mas não come."


domingo, 12 de dezembro de 2010

Laelia Pulcherrima - Sanders 1898



A Laelia Perfeita ou a Super-Laelia !


Laelia Pulcherrima

Híbrido artificial entre: 
 L. lobata x L. purpurata.


O aspecto geral de flor de Laelia  purpurata, somado ao detalhe dos "babados",
 ondulações se preferirem, inseridos num labelo de tendência quase
 quadrangular, são uma boa pista para reconhecer de pronto
esse vigoroso híbrido. É tal o potencial de crescimento,
de florescimento grandioso e adaptação,
que creio que este híbrido deve
 ter lugar em qualquer
 coleção mais séria
 de orquídeas.


O epíteto Pulcherrima significa "belíssima" e vem do latim
 "pulchra" = bela ou linda, lê-se "pulquérrima" e não  
"pulxérrima", em latim, ou em latinizado, ch = k.




 "A tua flor não é flor 
pra qualquer jardim.
Quero pra mim, pois 
 já cansei de capim."

Rafael Rocha





Acima vemos , a título de exemplo, três exemplares irmãos, oriundos de um mesmo cruzamento. Sem qualquer dúvida são muito parecidos, porém nunca são exatamente iguais, podendo ser mesmo bem diferentes entre si. Mesmo a cada ano, as florações de um mesmo indivíduo podem mostrar-se variáveis, é normal alguma pequena mudança no tamanho, forma e cor. As reservas de energia acumuladas nos pseudobulbos, as oscilações climáticas com suas decorrentes variações hormonais nas plantas, aliadas às heterogêneas características fisiológicas que se formam num cruzamento entre exemplares de espécies diferente, fazem com que surja um amplo espectro possível de variação em indivíduos de L. Pulcherrima. A variação é portanto bastante esperável, e quase sempre muito bem vinda, posto que vigor de crescimento é absolutamente dominante e característico, portanto sempre crescem muito bem. Bem pouco híbridos crescem tão facilmente como este, e seguindo a tendência de variabilidade floral de L. purpurata, a maior constatada entre o grupo da Cattleyas, este híbrido também apresenta um cativante  elenco de variedades de cor em indivíduos nunca exatamente iguais, um tesouro orquidófilo.



Na foto imediatamente acima, vemos à frente uma L. purpurata semi-alba 
 e em segundo plano uma L. Pulcherrima de mesmo porte,  visão de
muito boa comparação.  Há sempre muita variação observável
 nos  exemplares de L. Pulcherrima, tanto em cor, como
em  porte e colorido.  sempre dependendo das
características das  matrizes  utilizadas
 naquela  hibridação específica.



Abaixo uma sequência com boas fotos de alguns dos 
melhores exemplares e variedades desse híbrido famoso:



Este cruzamento foi feito primeiramente por Sanders em 1898,
e já foi refeito inúmeras vezes. Mostrou ser um híbrido muito
 forte, belo e vivaz , e explosivamente apaixonante
 em função de sua  farta e impressionante
  floração, muito maior que nas
espécies progenitoras.


Todos os exemplares deste híbrido em minha coleção mostram-se
muito adaptados ao clima de Curitiba e estão plenamente
estabelecidos no muro porta-orquídeas de meu
terraço, reparem a ótima forma técnica das
flores de alguns deles !



L.Pulcherrima albescens ou cândida.



O provável cruzamento de L. purpurata alba " Elpídio " x L. lobata alba, nos proporcionou essa linda L. Pulcherrima albescens ou cândida - foto acima. Parece completamente alba mas não é, a planta tem detalhes em pigmento purpúreo nas folhas e brotos, além de um leve sopro róseo na flor. Como as formas albas de suas progenitoras não são muito atrativas, sendo mesmo de baixa qualidade técnica, esse cruzamento nos proporcionou uma planta muito interessante. Flores albas duram muito pouco, mofam com grande facilidade, são fracas, tortas e raramente perfumadas; idolatrá-las é exagero! Todavia essa Pulcherrima é das melhores nessa categoria, dura o mesmo e não mofa!

L. Pulcherrima "alba" é completamente bela ao vivo, porém pouco fotogênica, na foto não se percebe toda a elegância do porte dessa quase alba. Herdou a tradicional forma técnica ruim - magra e vazada - da maioria das Laelias e Cattleyas albas. Para compensar, a armação é soberba, outra característica incomum em albas. Cabe ressaltar o vigor de crescimento, não muito comum na categoria das albas, sendo estas geralmente plantas fracas, frágeis e de crescimento moroso! Não sou fã de orquídeas albas ou brancas, mas essa Laelia é uma preciosidade e trato-a como tal!

Touceiras de Pulcherrimas em cultivo externo,
 porém sob sombrite de 50%.

Reparem que a flor desse híbrido normalmente herda o tamanho da purpurata e o labelo um tanto retangular e cheio de "babados" da lobata, mas pode variar amplamente em tamanho e em cor. A vegetação varia muito, indo de folhas longas e relativamente estreitas como em purpurata até folhas mais curtas e largas como em lobata, como se vê nas fotos das touceiras acima.






Acima L. Pulcherrimas de cor normal , puxaram mais para purpurata, sendo as flores maiores e as hastes menos floríferas. Abaixo estão os clones com maior influência de lobata, são de melhor forma técnica e apresentam muitas flores de menor porte por haste, além de ótima forma e armação, são muito mais vigorosas no crescimento vegetativo. Quando lobata é a mãe, o resultado do cruzamento parece melhor, trata-se de uma espécie não tão vistosa assim, porém quando hibridada, transmite inesperado valor plástico.


L. Pulcherrima pode apresentar floração incomparável !

Pulcherrima e purpurata lado a lado -
os labelos são diferentes na forma.


L. lobata apresenta hastes com maior número de flores, e seus
híbridos podem expandir essa característica natural da espécie.










Alguns clones desse híbrido, como por exemplo o retratado acima, são parecidos com lobata pura e frequentemente nos deixam em dúvida quando não estão identificados, a Pulcherrima suavíssima também parece uma lobata grande e já me despertou dúvidas anteriormente.

Acima, à esq. uma lobata tipo, bem ao lado de uma Pulcherrima suavíssima; como se vê, este híbrido é muito parecido com essa espécie progenitora, embora seja de maior porte floral, só se distinguem com total precisão pela presença do tubo amarelo. O tubo amarelo é totalmente ausente em lobata e muito frequente em purpurata, demonstrando o cruzamento. As plantas foram compradas floridas e sem identificação, essas suavíssimas pareciam ser lobatas puras. Pulcherrimas intermediárias, típicas de forma, são de fácil distinção, mas algumas são quase lobatas e podem passar, ou serem passadas, por variedades dela. É preciso um olhar treinado para fazer a distinção imediata desses exemplares atípicos. Desconfio de muitas variedades, são singulares e exóticas demais, talvez sejam meros híbridos retrocruzados, ficando então muito parecidos com a espécie original, em Cattleya este estratagema é um clássico.

Abaixo o contraste entre as Laelias Pulcherrimas tipo e a var. albescens. São todas lindas plantas, um híbrido antigo e ainda insuperável em se tratando de cruzamentos somente entre Laelias. Esses exemplares puxaram mais para as purpuratas, sendo a forma e o tamanho dessa bem dominantes.

 






Acima e abaixo o mesmo exemplar em floradas diferentes, ostentando flores de qualidade 
técnica também diferentes: hora puxando mais às  purpuratas e hora às lobatas.




Abaixo a L. Pulcherrima suavíssima, um clone espetacular
r e de colorido único, é quase cinza.


As pessoas referem-se a ela como: " a cinza ", de longe não se
percebe tanto o tom róseo das flores.









O amarelo no tubo confere graciosidade.


 Acima uma L. lobata concolor que de forma atípica e única, apresenta um  labelo com
 amarelo canário, provavelmente  foi este clone que gerou  a Pulcherrima mais acima.

Outro bom exemplar do mesmo cruzamento, foto tirada
 do lote original da sementeira, no momento da aquisição.

Abaixo um exemplar de Pulcherrima parecido com o de cima, sendo de cor bem mais pálida, o de cima é de muito melhor forma e impacto visual, além de inebriante perfume herdado de lobata .

L. Pulcherrima suave.



O híbrido em questão é muito vigoroso, resistente e florífero,  apenas o híbrido
 artificial entre L. purpurata e C. gaskelliana pode comparar-se em vigor com este.


Sr. Edemar Linder - orquidófilo curitibano e possuidor de magnífica coleção - acima com sua impressionante L. Pulcherrima "às avessas"( purpurata carnea Maria da Glória x lobata Rolf Altenburg). Abaixo outros exemplares de pulcherrimas também cultivados por ele, as fotos mostram muito as Pulcherrimas,  todo o seu impacto visual, dispensam-se as palavras !

Qualidade técnica média, porém vigor excepcional !

Parece uma purpurata, eu diria mesmo que é
 uma purpurata, mas é Pulcherrima.

Acima a Pulcherrima "albescens".




Abaixo a esperada novidade em se tratando de Pulcherrimas:

X
A Florália, e também outros orquidários comerciais, intercruzaram progênitores coerulaeos ( como os das fotos acima ) para tentar obter Pulcherrimas coeruleas ( cinza-azuladas como a cor do céu nublado e difuso = coerulaeo = do céu) , e já estão no catálogo de venda sem ainda terem florido.

Exemplar de L. Pulcherrima com alguma tendência a ser "coeruleo", exatamente  como em  lobata coerulea, mas ainda muito distante do vistoso ardósia-azulado da purpurata.

Tomará que consigam obter o resultado esperado, mas pelo histórico desse cruzamento, a chance de saírem quase todas de coloração lilás padrão é muito grande! Talvez um percentual menor do lote segregue cores inusitadas, todavia como as lobatas não são albas, semi-albas ou coeruleas verdadeiras, é melhor não fazer muitas expectativas.

Troço para estar completamente errado !


Híbridos de L. Pulcherrima:

Como já foi explicitado mais acima, a melhor trilha de cruzamentos utilizando-se L. Pulcherrima   é valendo-se de cruzamentos com outras Laelias híbridas como Pacavia e Pilcheri. Também o cruzamento com espécies de menor porte do grupo da L. pumila e jongheana seriam auspiciosos, L. alaorii certamente daria ótimos híbridos com Pulcherrima. Todas estas espécies de Laelias talvez possam melhorar  ainda mais o quadro de vigor e florescimento abundante já estabelecido. O cruzamento com Cattleyas, híbridas ou espécies, certamente  não melhora o quadro, há perda de vigor e agressividade de crescimento, exceto com C. gaskelliana ou mossiae, que já mostraram ótimas e vigorosas progênies quando cruzadas com L. purpurata, o que indica ainda melhores resultados usando-se Pulcherrima.  Contudo, o exemplo abaixo mostra que este viés talvez não seja verdadeiro, a mistura de muitos gens diferentes podem não necessariamente provocar vigor, e por isso se explicaria o o pouco uso de L. Pulcherrima em cruzamentos em geral.

 Acima, o cruzamento, provavelmente ainda em primeira floração, da
L. Pulcherrina x L. perrinii, mostrando quase total dominância
da espécie sobre o híbrido. Creio, pelo que li, que
logicamente, quanto mais antiga é a espécie,
maior deverá ser a sua dominância
num cruzamento especulativo.
A foto acima me sinaliza
esta percepção, de 
ser esta espécie,
de certo, mais
ancestral no
grupo.


O híbrido acima - L. Pulcherrima X C. harrisoniana  - 
mostrou-se desajeitado e pouco interessante.

As Cattleyas bifoliadas e outros gêneros de duas folhas por pseudobulbo são fortemente dominantes no hábito vegetativo e não produzem híbridos atrativos quando cruzadas com Pulcherrimas ou outra Laelias de grande porte. Talvez o cruzamento com Guarianthes seja interessante para fortalecer esta linha de cruzamento tipo Lc Parysates, C. Portia, Porcia e outras similares, com flores em nada lembrando Laelias.


Acima os cruzamentos de L. purpurata com C. mossiae ( Lc canhamiana coerulea ) e
 C. gaskelliana ( Lc. G.Roebling flamea ) nos dão boa ideia do potencial de
 Pulcherrima, se cruzada com estas espécies de Cattleya.





 Nas Cattleyas híbridas, vigor semelhante à L. Pulcherrima , é encontrado na C. Portia,
um cruzamento entre a Cattleya ( Guarianthe ) bowringeana e a C. labiata.









Nenhum comentário:

Postar um comentário